Um belo dia, daqueles que começam com um nascer do sol cor de Fanta e com os animaizinhos todos a cantar, eu caí em África, transparente que nem garrafa de vidro. Depois de muita traulitada e sem saberem o que fazer comigo, os africanos decidiram devolver-me aos deuses. Mas para eu lá chegar teria que empreender uma odisseia e peras pelo mais quente continente.

Qualquer semelhança com esta coincidência será pura realidade. Pois todas as viagens começam naquela irresistível fronteira que fica entre alguma imaginação e demasiada televisão.

Decidi então pintar de cor-de-rosa, quatro países do mapa. Do Cairo ao Cabo, sem contar com eles, nem com outros. Um ultimato fez-me começar por Moçambique, nível zero, língua mãe, passar ao lado, pelo lago que é o Malawi, ficar atazanada com décor da Tanzânia, e deixar o Quénia a suspirar “Mami Minha”.

Ah, África. O Santo Graal dos viajantes. Nem imaginam como eu tenho evitado África nos últimos oito anos de viagens no hemisfério de baixo. O medo, o fascínio, as estradas, o preço, as guerras, os safaris, o Robert Redford a lavar o cabelo à Meryl Streep, os tiranos, as doenças, o Timon e o Pumba, as cores, a música, o Eddie Murphy a acordar em Zamunda, o sol, a terra, as chuvas, Awimbawé

Se há continente que eu quero que seja igual aos meus sonhos é este. Todas as cores sem nenhuma das dores. Hei de ser uma daquelas velhotas de capulana em xaile, sempre a falar do cheiro de África, cheia de África e de chiliques.

Mas antes disso tenho de provar que dá para fazer este cantinho de África de carripana, a comer, ora marisco ora banana, a dormir por dois tostões e a acordar tostada, a fazer safaris com a bicharada ou simplesmente a fazer nada (ai, o que eu gosto de ser disso culpada).

Quanto aos Meticais, Xelins e Kwachas, não devem chegar aos 1400 euros mensais, por casalito, o que equivale a um quarto crescente de Lua-de-mel de pacote, para uns sete diazinhos.

Por isso, aproximem bem a cara deste aquecimento e esqueçam o inverno por um momento: há repelente no ar e os mosquitos continuam a picar mas a cepa tuga desta que vos escreve não a deixa vacilar. E, quando a coragem começar a faltar, a barriga se queixar e o cansaço apertar, faço como o Camões e ponho-me a inventar. Que se ele só com um olho viu aquilo tudo, eu com os dois tenho muito que enxergar.

Preparados? Eu também nunca! Aqui vamos nós.

Mami Pereira
Author: Mami Pereira
Esta e outras crónicas estão no livro "Mami Geographic" que só pode adquirir através do link https://mamipereira.wixsite.com/home/livro Ou visitando o Instagram em @mamigeographic

Cascais Diário

"Com o tempo… uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta … formará um público tão vil, tão injusto e tão hipócrita quanto ela própria". Alertado por este pensamento de Joseph Pulitzer, o Cascais Diário surge para se afirmar como um projecto de grande informação, orientado por critérios de rigor, transparência,  verdade, criatividade editorial e oportunidade, sem qualquer dependência de ordem ideológica, política, económica, moral ou religiosa.

Estatuto Editorial

Sede
Rua 5 de Julho, 175 - 2775-044 PAREDE
Propriedade
OCSE - Comunicação Social e Eventos, Lda
Publicidade
999 999 999

Mais Recentes

15
Jul.2020

AFINAL, SENHOR CARRE...

TERMINA NO DIA 17 (SEXTA-FEIRA) o prazo para reclamar da alteração ao PDM pretendida pela CMC.Essa a...

09
maio2020

Máscaras à sombra

Passados quase dois meses sobre o início do estado de emergência, e agora que começa paulatinamente...

04
Nov.2019

Carreiras + propagan...

A Câmara Municipal de Cascais publicou hoje um post a dizer o seguinte: “O Bairro dos Museus e a Fun...

29
Set.2019

João Vieira conquist...

Numa prestação a todos os títulos brilhante o atleta do Sporting, João Vieira, conquista a medalha d...